Tratamentos


Infecções urinárias

O que é cistite?
A cistite aguda é a infecção da bexiga por micróbios (também chamados de bactérias). Ocorre quando estes invadem e fixam-se nas paredes da bexiga, causando “machucados” na sua superfície, com a formação de pús e, eventualmente, sangramento visível na urina.


Como surge a cistite na mulher?

Todos os seres humanos, homens ou mulheres, apresentam bactérias no interior do intestino e na região do ânus.

Nas mulheres, o canal da urina, também chamado de uretra, situa-se mais próximo do ânus que nos homens, tornando as cistites mais frequentes. As bactérias da região do ânus podem alcançar a vagina e a uretra através do suor, fixando-se nestes locais, prontas para invadir a bexiga, o que ocorre, mais frequentemente, nas seguintes situações:
(a) durante as relações sexuais;
(b) durante a higiene da vagina, especialmente quando são utilizados chuveirinhos, duchas vaginais ou bidê, com jato de água de forte intensidade;
(c) com o uso de roupas justas ao corpo e de tecidos sintéticos, que aumentam o suor no local; e
(d) quando a mulher urina poucas vezes durante o dia (uma vez que a micção tem a função de eliminar as bactérias que porventura tenham conseguido entrar na bexiga, antes que elas se prendam a superfície da bexiga).

Além disso, existem diferenças individuais quanto à produção de anticorpos na vagina e resistência das mulheres às infecções, que fazem com que cada paciente apresente um padrão específico de sensibilidade às infecções. Considera-se, assim, que pode haver uma predisposição familiar e individual para o aparecimento da cistite, porque se acredita que algumas mulheres apresentam mais facilidades para a fixação das bactérias no interior da bexiga do que as outras.


Como prevenir as cistites ?

Para prevenir o surgimento das cistites, a mulher deve:
(a) urinar imediatamente após a relação sexual;
(b) preferir o banho de assento para a higiene vaginal;
(c) beber uma quantidade de água suficiente para urinar 5 vezes durante o dia (quando a hidratação está adequada, a urina apresentará cor amarelo claro ou será incolor);
(d) evitar o uso de absorventes higiênicos internos;
(e) evitar o uso de produtos químicos na vagina, na forma de cremes, desodorantes, antissépticos, que porventura possam alterar o equilíbrio da flora bacteriana vaginal normal. Embora alguns alimentos causem sintomas urinários em algumas mulheres, nem todos os casos necessitarão de restrições alimentares. As pacientes que tem “intestino preso” têm chance aumentada de apresentar infecção urinária. Assim, esse problema terá que ser tratado conjuntamente.


O que fazer nas cistites ?

Como a cistite é uma infecção, o uso de chás, antissépticos urinários ou medicamentos anti-inflamatórios, embora melhorem os sintomas temporariamente, não permitem a cura na maioria dos casos. Assim, caso haja suspeita de cistite (ardor para urinar, “urina presa”, mal cheiro, sangramento, febre ou mal estar) a paciente deverá aumentar a ingesta de água e procurar seu médico urologista mais rapidamente possível. Quando as cistites forem muito frequêntes, serão necessários alguns exames para verificar se há algo de errado, facilitando o seu aparecimento. O tratamento dessas condições é específico para cada paciente. Eventualmente, nos casos recorrentes, poderão ser empregados imunoestimulantes específicos (“vacinas”) contra bactérias que causam infecções urinárias mais frequentemente.


Pielonefrites

As pielonefrites correspondem às infecções urinárias que acometem os rins. São potencialmente mai graves que as cistites e geralmente determinam maior comprometimento do estado geral, eventualmente exigindo internação hospitalar. O tratamento das ppielonefrites é mais prolongado que das cistites, e são obrigatórios exames que comprovem sua cura definitiva.